6 min read

A Procura e a Utilização de Dados que Realmente Importam – 6 Coisas para Refletir

Featured Image

Pesquise qualquer publicação relacionada com dados e em breve se aperceberá estão por todo o lado. Surgem relatórios sobre a promessa da nova era de dados, técnicas para ajudar a construir um melhor motor de dados ou incorporar novos widgets de dados, infografias e visualizações mostrando os tipos de insights que pode obter com a mistura certa de técnicas.

Mensagem recebida. Há muitos dados. Mesmo muitos dados. Em 2021, foram gerados 79 zettabytes de dados em todo o mundo. Até 2025, espera-se que esse número aumente para mais de 150 zettabytes de dados que necessitam de ser analisados. Estamos a falar de sete conjuntos de três zeros!

Os dados estão também a transformar os processos empresariais em todos os aspetos. Espera-se que o grande mercado de análise de dados cresça para $103 mil milhões até 2023. 97,2% estão a investir em Big Data, bem como em inteligência artificial, machine learning, e outras aplicações para os ajudar a dar sentido aos enormes conjuntos de dados que são produzidos diariamente. Não importa quem são ou o que fazem, espera-se cada vez mais que cada organização tire partido dos dados, independentemente da sua dimensão, missão ou orçamento. As métricas orientadas pelos dados são agora a norma, especialmente se uma organização quiser mostrar o seu valor aos decisores e investidores externos.

Com recursos limitados, o que podem as pequenas e médias empresas, as lojas governamentais com orçamentos mínimos, e as organizações sem fins lucrativos fazer com os dados? Como pode escolher uma abordagem que combine a mistura certa de dados e ferramentas para fornecer uma visão relevante para a sua organização? E de onde virão os dados?

Se não tiver cuidado, pode tornar-se muito dispendioso encontrar os dados mais específicos e relevantes de que necessita, e ainda mais dispendioso será prepará-los para serem utilizados com as diferentes ferramentas e tecnologias que lhe interessam.

Mas não desespere! Há maneiras de transformar a forma como se atua sem rebentar com as suas finanças ou as da sua organização. Basta considerar o seguinte ANTES de investir tempo ou dinheiro em qualquer conjunto de ferramentas ou conjuntos de dados em particular:

1. Pense sobre o que precisa de medir com os dados

Para muitas organizações, não é fácil construir métricas que forneçam uma visão ou que contem a história baseada nos dados que os seus decisores precisam de ouvir. Certamente que as redes informáticas e os motores analíticos podem emitir números, linhas de tendência, desagregações percentuais, e outros relatórios estatísticos, conforme necessário. Mas o que é que nesses números, vai realmente ser importante? Construir boas métricas que funcionem com abordagens orientadas por dados é tanto um desafio de conhecimento como um desafio técnico. Envolve compreender o que é que é importante apreender com os dados, saber que tipos de métricas se podem obter a partir de diferentes combinações de fontes de dados e ferramentas analíticas, e construir plataformas de sistemas que as sustentem.

As melhores métricas serão concebidas em colaboração com membros de equipas técnicas e operacionais em toda a sua organização e incluirão o conhecimento tácito e a compreensão de como os processos empresariais realmente funcionam na sua organização. Medirão a mistura certa de desempenho, eficácia, usabilidade e impacto, quer com base em funções técnicas, financeiras, ou outras funções operacionais. E basear-se-ão na compreensão dos dados que pode obter, nos resultados e perceções que diferentes combinações de ferramentas podem dar, e no impacto sobre os utilizadores que fornecem e os utilizadores que recebem os seus produtos e serviços.

2. Certifique-se de que os membros da sua equipa compreendem o que os diferentes membros significam por "dados".

Há muitas suposições sobre os dados e o seu significado. O pessoal mais técnica e matematicamente inclinado irá provavelmente pensar nos dados em termos de o quão prontos estão para a máquina, e se o conteúdo dos campos de uma base de dados ou folha de cálculo pode ser manipulado computacionalmente através dos seus sistemas informáticos para realizar vários trabalhos automatizados. O pessoal operacional e analítico provavelmente pensará mais em dados como pedaços de informação, quer se trate de interações ou observações de outros, clipes áudio ou vídeo, imagens, palavras numa página, ou números numa folha de cálculo. Trata-se de informação sobre coisas que podem investigar, recolher, processar e analisar com o seu próprio cérebro, utilizando os quadros, metodologias e conhecimentos que aprenderam como parte da sua prática profissional e educação. Muitos deles, não estarão conscientes de que os computadores processam dados de forma muito mais simples, e que os dados têm de ser decompostos em 1s e 0s antes de o processamento poder ocorrer.

As abordagens fundamentalmente diferentes que as pessoas na sua organização utilizam para compreender os dados podem levar a muita confusão sobre quais as abordagens orientadas pelos dados podem ser as mais apropriadas para o seu processo empresarial. Mas também é necessária uma compreensão técnica, operacional e analítica dos dados, bem como da perspetiva dos decisores, se quiser extrair todo o valor de qualquer uma das abordagens. E também vai precisar de compreender o que é possível fazer agora e o que vai levar mais tempo a desenvolver.

Para tal, é importante que todos na sua organização compreendam os pontos fortes e limitações dos dados a partir de diferentes pontos de vista e que utilizem essa informação para perceber o que precisa de fazer agora, considerando o seu orçamento e recursos, e o que pode planear implementar no futuro.

3. Pense nas formas como já utilizam dados na sua organização

De certeza que já está a utilizar dados e desenvolveu uma série de técnicas e metodologias para capturar, analisar, e transformar esses dados em informação. Alguns dos seus processos e os dados envolvidos nos mesmos estão provavelmente bem documentados, limpos e prontos para serem “ingeridos” pelo sistema da sua organização. Outros, provavelmente, requerem uma limpeza significativa, ou entradas manuais e podem precisar de mais reflexão sobre como formalizá-los e incorporá-los melhor na sua abordagem. Mas quer esteja pronto para “ingerir” ou não, o conjunto de dados, fontes de dados e técnicas que já está a ser utilizado pelos sistemas e pessoas da sua organização constituirá provavelmente 85-90% das fontes de dados que precisará de transformar no seu novo processo orientado para dados.

Compreender o que já tem, incluindo que partes do seu processo de dados podem ser total ou parcialmente automatizadas, onde necessitará de pareceres humanos para a tomada de decisões de maior exigência, e onde tem lacunas nos dados - irá contribuir em muito para o ajudar a descobrir o que já pode aproveitar num processo orientado para os dados antes de investir.

4. Considere que outros dados podem existir que possam preencher quaisquer lacunas relacionadas com dados

Existem milhares de portais de dados abertos, serviços de subscrição e fontes de dados de propriedade privada à sua disposição. Mas o número de fontes de dados relevantes para o seu campo, quanto mais para qualquer função ou projeto específico, será, sem dúvida, limitado. E dependendo do tipo de dados de que necessita, provavelmente descobrirá que muitos dos dados de que realmente necessita para a tomada de decisões terão de ser processados antes de poderem ser utilizados nas suas ferramentas.

Se procura tirar partido dos dados de livre acesso financiados pelo governo, há sem dúvida muitos dados disponíveis, embora tenha de descobrir o que é relevante e alinhá-los com as suas necessidades.  Se o que pretende utilizar são dados de marketing, produtos, ou financeiros, estes também estão disponíveis, mas tendem a ser estruturados e caros. Outros dados de que poderá necessitar serão de propriedade exclusiva, protegidos por leis de privacidade, ou dependerão da recolha humana, produção humana, ou interpretação humana.

Explorar o que já está disponível e que possa ser relevante para a sua tomada de decisão antes de começar, orientará a escolha em ferramentas e técnicas mais adequadas. Também o ajudará a compreender o que é possível fazer agora com as ferramentas atuais, e o que poderá ser feito num futuro próximo à medida que as inovações nas tecnologias de dados vão amadurecendo.

5. Pense no custo de transformar os dados para que os possa utilizar com as ferramentas que escolherá

Os dados não são gratuitos. Nem sequer os disponibilizados gratuitamente. Porque para cada dado ou registo que queira utilizar, há um custo de preparação dos dados para que possam ser “ingeridos”, geridos por, acedidos a partir de, e produzidos para serviços e ferramentas dentro do seu sistema informático. Dependendo do tipo e quantidade de que necessita, do aspeto, da forma como terá de os recolher e processar, e das questões de licenciamento e propriedade intelectual que terá de enfrentar, os custos podem acumular-se muito, muito rapidamente. E isto é ainda antes de considerar quaisquer custos para as ferramentas técnicas que possa utilizar para explorar os dados de que necessita.

Felizmente, existem cada vez mais ferramentas baratas que pode utilizar para obter dados para o seu sistema - por exemplo, ferramentas de recolha de dados e de mineração, opções de crowdsourcing, drones, e oportunidades para recolher dados de seres humanos à medida que interagem com ferramentas e tecnologia. Todos os dias surgem novas tecnologias que tornam mais fácil tirar partido dos dados. Compreender quanto custará extrair, transformar, e carregar esses dados em quaisquer ferramentas que deseje utilizar irá contribuir em muito para garantir que o processo de dados que implementar irá funcionar para a sua organização.

6. Pense em grande, comece com pequenos passos, e depois aumente consoante a situação

Num mundo de recursos limitados, faz sentido pensar muito nas possibilidades e testar opções diferentes em pequena escala antes de se adotar qualquer abordagem. Ao começar com pequenos passos, poderá descobrir que a opção mais barata é suficientemente boa ou, então, de que necessita de um pré-processamento significativo e dispendioso para a tornar utilizável. Poderá também descobrir que muitas soluções que funcionam em pequena escala não serão eficazes ou rentáveis se pensar em escalas maiores. Isto pode significar que é necessário adaptar os próprios processos da sua organização ou então que deverá procurar outra opção. Testar as falhas antes de investir ajudará a calcular qual será o custo final dos dados, licenças de ferramentas, e dos outros custos relacionados com a construção do seu sistema, formação de utilizadores, e estabelecimento de novos protocolos.

Estes passos exigem algum tempo e recursos. Contudo, um pequeno investimento no início para garantir que obtenha a combinação certa de dados e ferramentas para orientar o seu processo, poupará significativamente mais a longo prazo. Algo que é sempre bom para a sua organização.