<img height="1" width="1" style="display:none;" alt="" src="https://px.ads.linkedin.com/collect/?pid=3269306&amp;fmt=gif">
5 min read

Gestão de Voluntariado num mundo pós-pandemia

Featured Image

Como todos nós sabemos, as dinâmicas e os parâmetros do que nós consideramos como o normal mudaram drasticamente com a COVID-19. Após mais de um ano a batalhar esta pandemia, tornou-se claro que as coisas não irão voltar a ser exatamente como eram mesmo depois da situação melhorar. Globalmente, a indústrias das viagens e da hospitalidade foram, porventura, as mais gravemente atingidas pela pandemia do coronavírus; no entanto, setor não foi o único a ser atingido. O setor não-lucrativo também foi gravemente atingido. O envolvimento voluntário mudou com a pandemia, quer se goste ou não, e irá continuar a mudar no mundo pós-pandemia. Mas se olharmos para os aspetos positivos destas mudanças, podemos encontrar formas de fazer com que os nossos programas de voluntariado se tornem mais fortes e efetivos por causa da pandemia.

À medida que o mundo se reabre lentamente, nós temos que aceitar que algumas coisas mudaram devido à pandemia e que podem ter mudado para sempre. Organizações um pouco por todo o mundo têm estado a aprender como podem ultrapassar as dificuldades que emergem deste novo normal. Para manterem o distanciamento físico, elas têm utilizado estratégias como: trabalhar a partir de casa, reduzir as horas de trabalho, serem mais flexíveis com o planeamento do trabalho. Isto diz muito sobre a forma como os humanos se conseguem adaptar à mudança. O voluntariado também adotou uma forma diferente. De acordo com um inquérito do Volunteer Match, em março de 2020 os representantes das organizações sem fins lucrativos assistiram a muitos cancelamentos de voluntariado presenciais (68%). Pode não ser muito confortante, mas pelo menos fique a saber que não é o único(a) a enfrentar isto. Já em maio de 2020, a percentagem de cancelamentos diminuiu ligeiramente (53%). O que sugere que as pessoas estavam a começar a sentir-se mais confortáveis para voltarem a ajudar as suas comunidades. As diretivas de se ficar em casa tal como outras restrições semelhantes, todas com certos níveis e fases consoante a comunidade e o sítio no mundo, continuam a ser um fator impeditivo para o voluntariado. As organizações de envolvimento voluntário estão a modificar as suas operações de forma a criar um ambiente mais seguro para o voluntariado, elas têm utilizado a tecnologia a seu favor. Não é surpreendente que os voluntários estejam agora a assumir o papel de gigantesco de vacinar a população.

À medida que começamos a ver a pandemia através do nosso espelho retrovisor, é importante considerar os benefícios contínuos das tecnologias que nós adaptamos rapidamente por necessidade, para vermos como é que eles podem continuar a organizar as nossas organizações a conseguirem as suas missões. O Zoom e outras tecnologias similares tornaram-se em ferramentas comuns na nossa comunicação devido a uma necessidade absoluta, mas mesmo quando já pudermos estar fisicamente juntos, irão continuar a existir circunstâncias nas quais uma chamada de Zoom pode ser a melhor alternativa, o eLearning substituiu muitas sessões de orientação e treino presenciais devido à pandemia, mas agora que já temos os conteúdos de eLearning disponíveis, estes irão ajudar-nos a ultrapassar obstáculos que emergiam com os treinos, como por exemplo dificuldades para os agendar e ter-se um número insuficiente de voluntários para se justificar organizar uma sessão de treino.

Se pensarmos sobre o número de trabalhos que transacionaram com sucesso para o trabalho a partir de casa durante esta pandemia, não é surpreendente que o voluntariado também se mude para um local mais seguro. De acordo com o mesmo inquérito da Volunteer Match, a popularidade de oportunidades de voluntariado virtuais aumentou de apenas um terço para quase metade em apenas alguns meses. Esta mudança é inspiradora porque ela demonstra a flexibilidade dos voluntários e das organizações de envolvimento voluntário, e abre as portas para que os Líderes de Voluntariado olhem para novas formas para que os voluntários contribuam. Compreender que o nosso papel, tal como o dos nossos voluntários, mudou é um grande passo para este processo. Trabalhar de forma a adaptarmos oportunidades de voluntariado já existentes e/ou criar novas oportunidades virtuais que contribuem para a nossa missão é fundamental.

Há muitas oportunidades que surgem com o voluntariado virtual. Com a ajuda de tecnologias como computadores, tablets e smartphones, agora nós podemos envolver voluntários remotamente para ajudar numa série de tarefas como: desenvolver uma estratégia para as redes sociais ou uma estratégia para a diversidade e inclusão, escrita de conteúdos para publicações e blogs, fotografia, desenho gráfico, desenvolvimento de políticas, a criação de um plano de negócios ou marketing, análise financeira, tradução, edição ou revisão de documentos, orientação e ensino. Pense sobre as novas possibilidades que se abrem para o seu programa. Há algum projeto que tenha guardado para tratar mais tarde no seu passado e que agora possa ter a sua oportunidade ideal para o pôr em prática? Será que um blog ou publicações regulares nas redes sociais poderiam contribuir para a sua missão?

Considere dar uma apresentação virtual/webinar ou um tour. Atrações (e estes são membros da Better Impact) como o Zoo de Cincinnati (EUA) e o Aquário de Vancouver (Canadá) têm visitas online e webcams ao vivo. Estes esforços permitem que as organizações continuem a entreter e a educar enquanto não é seguro visitá-los fisicamente. Mas pense sobre os benefícios de manter este tipo de coisas mesmo depois de podermos estar a cerca de 1,5 metros uns dos outros de novo. Este tipo de coisas poderia permitir-nos chegar a audiências mais distantes, a oferecer uma alternativa para aqueles que estão doentes, e iria geralmente abrir as portas para audiências bem maiores. Não iria substituir o estar presente fisicamente, mas iria atrair as pessoas a visitarem quando puderem e a reviverem a experiência depois.

Há também outras novas considerações para a seleção e treino de voluntários. De novo, nós podemos ter a oportunidade para melhorar as nossas operações a longo prazo ao nos basearmos no que fizemos durante a pandemia. Muitos Gestores de Voluntariado fizeram algumas entrevistas iniciais por telefone porque isso poupa o voluntário de ter de fazer a viagem até ao escritório numa fase tão preliminar. Com tantos de nós habituados a usar o Zoom agora, algumas dessas chamadas de telefone poderiam transitar permanentemente para videochamadas onde se pode obter aquelas indicações visuais sobre a informação recebida em ambos as direções. As sessões de ambientação e de treino tiveram de se mudar para o online na forma de webinars e eLearning. Em alguns casos, isto até acabou por ser um melhor método do que os ajuntamentos tradicionais de voluntários na mesma sala e ao mesmo tempo. Por exemplo, a Puffying Bill Billy Railway (Australia) e os Tyne & Wear Archives & Museums (UK) começaram a utilizar o eLearning para educar os novos voluntários e aqueles que estavam a regressar sobre as restrições devido ao COVID-19 e estão à procura de formas para incorporar o processo para o futuro.

Este novo normal provavelmente terá efeitos permanentes na forma como nós trabalhamos, praticamos exercício físico, viajamos, socializamos, e nos envolvemos com as nossas comunidades. Isto também nos demonstra que apesar das circunstâncias, o voluntariado irá continuar a prosperar à medida que as pessoas encontram novas formas de se ligarem e de partilharem o seu tempo, as suas habilidades e o seu conhecimento.

Por favor, partilhe as suas experiências. Que mudanças pôs em prática devido à pandemia que irão, de alguma forma, permanecer no pós-pandemia?