3 min read

Uma Jaula Cheia de Macacos

Featured Image

Uma das coisas que eu tenho apreciado quando estou a ensinar um novo membro sobre a nosso Volunteer Impact software é a forma como alguns deles veem a implementação de um novo sistema como uma oportunidade para revisitarem algumas das suas políticas e processos estabelecidos há muito tempo.

Algo que pode impedir uma organização se conseguir maiores sucessos, é uma ancora com políticas ou processos velhos. Podem dizer que eles sentem que estão a dar estabilidade à organização, mas em muitos casos, eles estão simplesmente a impedi-la de progredir. Um processo específico ou uma política pode ter sido estabelecida há muito tempo por boas razões, mas se à medida que o tempo passa, houver razões para a abandonar; está na altura de mudar.

O que é que isto tem a ver com uma jaula cheia de macacos?

Alguns investigadores colocaram cinco macacos dentro de uma jaula onde havia uma escada com uma banana pendorada no topo. Sempre que algum dos macacos tentava subir as escadas para ficar com a banana, o investigador encharcava os outros 4 macacos com água. Passado pouco tempo, quando um dos macacos tentava ir buscar a banana, os outros macacos opunham-se de forma violenta.

Posteriormente, os investigadores retiraram um macaco e substituíram-no por outro macaco que não tinha presenciado nem podia ser associado aos eventos que se tinham passado na jaula. Quando o novo macaco tentou chegar à banana, os outros macacos impediram-no. Depois de algumas tentativas, o macaco parou de tentar.

Então, os investigadores substituíram outro dos macacos originais com um novo e, tal como se esperava, o novo macaco tentou subir as escadas para ir buscar a banana. Os outros macacos impediram-no logo, incluindo o macaco que nunca tinha sido encharcado com água. Substituiu-se um por um, os macacos originais por novos macacos que nunca tinham presenciado o encharcamento com água. Sempre que um novo macaco era introduzido nesta fase e tentava chegar à banana, os outros macacos impediam-no, mesmo quando a razão pela qual a política “nós-não-podemos-ir-buscar-a-banana” já tinha desaparecido há muito tempo. Tanto quanto eles sabiam, aquela era simplesmente a maneira como as coisas funcionavam ali.

Infelizmente, a metáfora que apresentei acima aplica-se a muitos ambientes de trabalho. Ainda que a gestão possa pensar que promove o pensamento inovativo, eles acabam por, sem se aperceberem, encharcar todos os que tentam algo de novo. E quando os outros empregados aprendem esse comportamento, eles também podem suprimir a inovação e isto pode impedir a organização de atingir o seu potencial.

Se deseja se livrar deste tipo de comportamentos na sua organização, aqui tem uma abordagem:

  1. Faça uma auditoria à organização – Tome nota de quaisquer ações que tem ou não tem devido a uma política ou prática na sua organização, juntamente com uma ou várias políticas aplicáveis. Inclua ambas as políticas informais e formais. Ainda que não seja necessário fazer uma lista exaustiva, certifique-se que inclui coisas como: que informação é que se recolhe quando os voluntários se candidatam ou quando os doadores doam e o que é que os voluntários podem e o que não podem fazer como voluntários e que tipo de relatórios você organiza em relação à gestão de voluntariado e de doadores.
  2. Revisões – Após elaborar as listas: leia-as com atenção uma a uma juntamente com outras pessoas da sua organização. Desafie as premissas básicas sobre o porquê de as coisas estarem como estão.
  • Se possível, envolva outras pessoas que não estejam diretamente envolvidas com o envolvimento voluntário, visto que algumas políticas e processos podem surgir inicialmente a partir de um pedido de outras áreas.
  • Envolva alguns voluntários. Eles veem as coisas de uma perspetiva diferente e com a sua visão única eles podem não estar tão presos às formas como se sempre se fez as coisas como você. Ou pode descobrir que eles afinal estão mais presos ao passado que você e isso pode representar um outro desafio completamente diferente.
  • Envolva o seu supervisor se puder. “Porque o meu patrão diz que isto tem de ser feito assim”, não é necessariamente uma boa razão. Alguns dos pedidos dela podem bem ser hábitos antigos de algum predecessor e o exercício pode ajudá-la também.
  1. Manter ou evoluir – Mantenha o status quo nas situações onde as coisas ainda permanecem relevantes; nas situações onde já não há relevância, faça a mudança apropriada.

Tal como os macacos na jaula, você pode perfeitamente enfrentar alguma oposição neste processo. Mas se conseguir ultrapassá-la e mostrar a toda a gente que não há problema em se comer a banana, irá trazer toda a organização para um nível mais elevado.

Se tem alguns exemplos de políticas e procedimentos que teve de se livrar, e quiser partilhar alguns dos aspetos positivos que emergiram por se ter livrado deles, por favor partilhe-os aqui para ajudar os outros a fazerem o mesmo.